quarta-feira, 7 de outubro de 2009

E depois dizem que as urgências estão entupidas…

Um dia na vida de um utente do serviço nacional de saúde, que se encontra doente:

8h05 no centro de saúde que abriu as 8h: a sala de espera cheia, tira-se uma senha para as marcações do dia, mas entretanto vai-se avaliando a situação… Conclusão parece que para hoje só vão estar 2 médicos de serviço e segundo afirmações não oficiais de uma enfermeira amiga, mais vale é ir ao centro de atendimento da gripe.

8h20 porta do centro de atendimento à gripe: segurança e outra pessoa com máscara… Peso na consciencia por estar a recorrer a um serviço, sem se precisar exactamente dele, medo de apanhar a mal afamada gripe A… E está-se de volta ao ponto de partida. Mas e se…

8h45 porta de uma farmácia: será que vendem um antibiotico sem receita? Podemos levar a receita noutro dia… 9h abre a farmácia e como previsto descobrimos que sem receita não há antibiotico, “ordens da casa”!

Bem entretanto toma-se ibobrufeno, descança-se um bocadinho e estamos de volta à vida real… Mais um dia na escola! Trabalhos, correrias, aulas… Até que a pseudo-amigdalite de 3 dias resolve afirmar a sua verdadeira existência com uma febrezinha…

18h15 novamente no centro de saude: deserto… Uma administrativa, uma senhora da limpeza e podia-se ouvir a música que vinha da rua, da campanha do CDU… E médicos? “Olhe a esta hora já não temos cá médicos… Pode é ir ao hospital ou no sábado há SAP no Centro de Saúde X…” Duas soluções muito boas e úteis como se pode ver, a escolhida foi… Tarararan… Ligar a um médico amigo!!

 

E é assim o estado da saúde em Portugal… Eu tentei… eu tentei acreditar que funcionava, mas cada vez sonho em ter dinheiro para o privado…

6 comentários:

maria teresa disse...

Assim vai a nossa saúde...
Casos com o seu têm que ser divulgados, mas infelizmente só o são quando têm desfechos dramáticos.

Patrícia disse...

Bah.
Da última vez que estive doente fiz 15 km (o meu centro de saúde fica a 15 km de casa, pois!), cheguei lá... "Não há médico!" (Sim pois, estavamos em pleno mês de Agosto, qual era o parvo do médico que numa tarde linda de Verão ia estar a atender alguém?).
Chego ao hospital... tanta gente, tanta gente...! Fui para casa, durmi. Voltei ao hospital eram 8 da noite, mesmo assim esperei umas belas horas para ser atendida.

Tal como tu também sonho em ter dinheiro para ir ao privado sempre que me apetece. Ou trabalhar numa daquelas empresas com médicos à disposição. Ou casar com um militar, que eles também têm hospitais só para eles e respectivas famílias.

Haja paciência!

Jedi Master Atomic disse...

Eu só vou ao publico quando é alguma urgencia.

Cat disse...

"A culpa é do sistema" :P

Moretti disse...

isso me faz lembrar um outro país do outro lado do atlântico...

Menina do Mar disse...

maria teresa: pois podia ser que mudasse alguma coisa...

Patricia: gostei da opção de casar com militares =P homens de farda... lool

jedi master atomic: tens sorte! quem me dera!

cat: "a culpa é do governo, a culpa é socras!"

Moretti: pois infelizmente não é um problema só nosso...